terça-feira, dezembro 27, 2005

RESPOSTA AO JORNAL “O DIÁRIO DE SÃO PAULO”, AO PREFEITO JOSÉ SERRA E AO DIRETOR DE OPERAÇOES DA CET

(referente a matéria “Serra critica nova ação de adesiveiros” em 26 de dezembro de 2005)



É certo que não estamos alterando as placas de trânsito para provocar um caos na sinalização da cidade de São Paulo e atrapalhar o trânsito. Somos poetas visuais, militantes líricos, defensores do olhar múltiplo e humano, embebidos pela visceralidade poética de Don Quijote - o cavaleiro andante. Não há violência. Não há crime em nossas interações com a cidade. Por isso pedimos o direito de respota para tantas acusações, para o discurso parcial, para a violência de vossas palavras.

Resignificar símbolos de automação, fomentar o questionamento do espaço público, alimentar a cidade de arquetipos miticos e espirituosos. Mas parece que não convém amplificarem nosso questionamento artístico, afinal é preciso classificar, é preciso pensar no prejuízo público, é preciso passar um pano com alcool e água para que nossos adesivos sejam retirados. Mas o que convém perguntar? Despertar um olhar transformador?

“É vandalismo, é uma gangue”, assim fica simples (é só mandar prender senhor prefeito), afinal não há tempo para novas percepções, para desnudar a precipitação do primeiro olhar. E tratando-se do poder público e dos meios de comunicação, olhares imediatistas tornam-se fatais, não? Quanto tempo perdido em decisões editorias e governamentais feitas com base em maniqueísmos simplistas.

Vamos amplificar com imparcialidade a interação do humano no espaço público? Ou mantemos o clima de denuncismo parcial e superficial? Queremos olhar as coisas com calma em nossa cidade, sem tantos juízos de valores, apenas sentir por nós mesmos. Por isso nossas exposições a céu aberto, nosso convite a contemplação de novas possibilidades urbanas, de interação humana, de desaturação visual.

Não prejudicamos a população com nossas interferências, as placas podem ser removidas com um simples produto de limpeza como foi dito - não é preciso tanto sensacionalismo ou imediatismo Sr. Adauto Martinez Filho (diretor de operações da CET). Também não facilitamos acidentes colando novos simbolos visuais sobre a sinalização de trânsito, afinal se o motorista não vê uma placa com o sentido da rua, é obrigado a parar e olhar para os lados, respirar um pouco no meio do trânsito caótico, ver as coisas, aliviar a tensão do seu ser eminentemente urbano.

"O condicionamento se reorganiza na percepção da mudança do código. Sentado-brinco, olhando-canto, percebo que existo." Beija-flor, integrante do grupo Don Quijote.

Estamos propondo exposições a céu aberto. No começo dos dois sentidos da avenida Brasil, por exemplo, haviam placas de entrada e saída de museu. Durante a passagem alegórica de carros alegóricos pela via, entrava-se em contato com placas líricas (piões e pipas). Denominamos de “Zona de la Alegria”. Na Rua Estados Unidos inúmeras placas brancas foram colocadas para emanar tranquilidade e vazio espiritual à cidade, fazendo referência ao respiro e a purificação necessária ao ser humano. Denominamos de “Zona del Zen”. O primeiro olhar bruto tende a querer definir e não deixar perceber e sentir pelo corpo toda a carga que as pessoas recebem e julgam através da mente.

“È uma interferência parecida como o grafite, mas tem outra linguagem. Ao invés de depredação, é uma discussão sobre a retomada do espaço público. Aparentemente é depredatória, mas não é. Essas imagens grudadas servem para discutir o espaço público.” Silvio Miele, professor de comunicação social e arte multimídia da PUC de São Paulo.

Despertar e amplificar o sensorial. Não queremos que as pessoas pensem a respeito, mas sintam a respeito. As placas não estão em oposto, ou não são contra a cidade. Existe algo que conecte essas placas à cidade. São os seres humanos. E infelizmente os seres humanos estão muito esquecidos na cidade. Nós acreditamos no ser humano. Proibido árvores na paulista, minotauro, polvos, piões e pipas na av. Brasil. Buscamos trazer uma fauna de lirismo para uma cidade carregada de maniqueísmos. As nuanças entre o branco e preto. Não somos artistas ou vândalos. O nosso trabalho traz essa fauna que está extinta, que geralmente se encontra nas galerias encaixotas, nas salas de cinema de 15 reais, ou na periferia nas comunidades de manifestação artística. Porque isso não pode se alastrar pela cidade? Por que a publicidade se alastra de uma maneira tão opressora e violenta e não é questionada ou não é criminosa. Vândalas são placas que querem colocar poesia e nuanças em espaços públicos? Isso é vandalismo? O que é vandalismo?

Porque choca tanto quando o patrimônio público é interagido? E por que não choca quando o patrimônio privado usurpa o patrimônio público? Porque isso não é questionado e é tratado com tanto respeito pelos meios de comunicação que deveriam fomentar esse tipo de discussão? Vejam que curioso o anúncio de uma das maiores agências de publicidade do país (agência África), se não a maior. A placa é exatamente igual a uma placa de sinalização, aplicada exatamente nos postes de sinalização. Onde estão as denúncias de vandalismo? Onde estão as preocupaçõesde acidentes? Onde andará o poder público em relação as intervenções lícitas da indústria no espaço público, da publicidade?

Não queremos dar respostas. Fazemos perguntas. São perguntas para o corpo. Para as pessoas sentirem nossas perguntas. Não para as pessoas queimarem neurônios. É diferente! Se fosse assim estaríamos carregando uma bandeira panfletária, partidária, de significado único. Nossos símbolos valem mais que nossas palavras. Nossa energia não é a do protesto carregado de ódios ou angustias. Somos movidos por nossas próprias subjetividades. Acreditamos no coletivo como fruto de individuos com identidade, únicos, repletos de amor. E é com isso que produzimos nossas intervenções, que convidamos a todos para interagirem.

“Basta contemplar isso - o que permanece, o que se passa... sem acrescentar nenhum pensamento, sem se identificar com o que acontece, sem preocupação de si. Azul é a resposta do céu, verde a dos campos”. Jean-Yves Leloup, comentário sobre a IX etapa Zen

Saudações,
Don Quijote

9 comentários:

Anônimo disse...

Quero ver se v6 vão achar que é arte quando pegarem v6 (e vão pegar-é questão de tempo) e v6 passarem a noite na cadeia com uns puta negão de pau duro querendo come o cuzinho "artistico" e castelhano de v6....
Para a garota do grupo: Sua putinha, vai pra casa dormir, porque quando seus pais souberem o que v6 fazem vc vai se foder....

P.S. "Eu sei o que vocês fizeram no natal passado!"

Anônimo disse...

Vai tomar no seu Cu Dom Caxote

Andréia disse...

É tão absurda a forma como vcs usam a arte e a poesia para justificar atos de vandalismo que me impressiona e de corrói! Não existe arte, nem poesia quando a liberdade do próximo está sendo violada, e é isso que vcs fazem. Não me venham com besteiras de que acreditam na inteligência humana, quando são vcs que agem irracionalmente. Vandalismo, vandalismo sim, e criminosos, merecem cadeia, isso sim. Primeiro pq invadem minha liberdade, segundo pq será meu dinheiro usado para reparar os atos de vcs, e terceiro pq se escondem atrás de mestres da literatura para advogar suas teses que não passam de filosofia vazia e míope.

Pixel Pilot, Coletivo Delicatessen disse...

A atitude de vocês preocupa - e muito - os stickers. Nosso ato é contra a tomada dos espaços públicos pela publicidade. Obstruir sinalização pública só vai voltar a ira do governo, da polícia e da mídia contra vocês.
Não estou dizendo que o manifesto de vocês é equivocado. Mas a sociedade não está pronta para este tipo de intervenção.
A polêmica deve estar na arte, e não no suporte.
Cordialmente

De la mancha disse...

Primeiramente, gostaria de expressar a MINHA opinião em relação à este tipo de intervenção.
Acho que todo tipo de manifestação é valida, desde que se respeite todos os outros cidadãos,
pois ao MEU ver, não só intervem, como interfere na urbanização e chega a ser comparada POR MIM como um ato de vandalismo.
Sinceramente, não gostaria de entrar em uma rua na contramão, de tomar
uma multa por velocidade ou cometer qualquer outro tipo
de infração no trânsito por conta de uma sinalização pública inutilizada.
Aposto que a maioria de nós ja provou um estranho sentimento ao ver
placas de sinalização em estradas pichadas, furadas à
bala.........aposto até que já chegaram a reclamar das concessionárias de rodovias, que cobram alto pelos pedágios e deixam placas escondidas
pelo mato ou até mesmo enferrujadas.....
Em ambos os casos, quem paga pela manutenção e limpeza, somos nós.
De qualquer forma, não conheço a fundo o projeto e o que
digo, é sobre MINHA primeira impressão a respeito do assunto e,
como dizem por ai, a primeira impressão........
Todo tipo de arte é válida, desde que se respeite o bem público........vai q alguém acha que destruir orelhão é intervenção....vai saber.

Anônimo disse...

vao colar uma placa na bunda da mãe de voces!!!

Daniel disse...

Vocês todos, que criticam estes atos corajosos, são incomensuravelmente estúpidos. Estão sentados com vossas bundas gordas, satisfeitamente refestelados no marasmo e inutilidade de vossas vidas. São pessoas(sic) como vocês que soltaram barrabás, queimaram Giordano Bruno,apoiaram nazistas etc. É de tornar desesperançado o coração do visionário que ainda ambiciona alargar o alcance da mente de vocês.Reclamam do dinheiro gasto para reparar as placas, mas esquecem o quanto o governo mama nas tetinhas de vocês. Sinceramente, a humanidade, com raras exceções não possui mesmo o menor valor. Escórias. Não compartilho o idealismo destes grupos que com suas intervenções esperam despertar os homens... admiro a atitude, mas não compartilho este entusiasmo, porque tristemente percebo o quão insignificantes são a maioria das pessoas. Sua ignorãncia e cegueira constituem uma crosta impenetrável.

Lua disse...

ca-ra-lho.

eu tive prazer estético ao ler essas palavras.

senti um prazer enorme, uma coisa crescendo dentro.

é isso,

mas nao acaba aqui.

"Azul é a resposta do céu, verde a dos campos"

ora, que a minha seja entao de alguma cor infinita que paire por ai exalando um cheiro bom, sem saber que é cor talvez..

e que a poesia nao se cale, o mundo precisa dela.

Lua disse...

vendo agora toda a polemica criada no topico, nao gostaria que vcs aceitassem meu comentario por que está com o meu nome aberto.
enfim, que o meu comentario seja para vcs, e apenas para vcs. :)
abraços.